terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Não sou eu, é você...

A brilhante análise do meu re-estreante (Sabe lá o Pasquale se com hífen ou não) amigo Gabriel sobre as enchentes tocou num assunto interessante pra quem gosta de mídia: essa história de interesse público e interesse do público (Não é trocadilho, é redundância mesmo!)

Como os três, se tantos, leitores desse blog são jornalistas (e, eventualmente, blogueiros), essa é uma questão que nos tira o sono. E eu acho que nela se esconde um dos maiores migués da profissão.

A justificativa dessa dicotomia, assim apresentada, é essa: "o povo não gosta de pensar, e um programa de qualidade exige raciocínio pra ser absorvido. Daí por que os BBBs, Datenas e Zorras Totais têm tanta audiência e o Provocações da TVCultura, bem, você sabe. Como a gente é da revolução e o senso comum é de direita, dizemos que fugir do senso comum exige raciocínio e os programas não o fazem, por isso tanta gente concorda com eles."

O pessoal observa que o conteúdo dos programas é diferente (até dói bancar o relativista e dizer só "diferente") mas ninguém observa que a linguagem também é distinta, e que o Datena é muito mais competente que o Abujanra para falar com as pessoas. O Abujanra nem deve ter amigos.

Outro detalhe que ilude os pesquisadores é que eles, como eu, são esquerdistas. E essa doença Marxista que ativa o raciocínio para as mazelas do mundo desativa a observação do óbvio: o Tim Maia avisou há tempos e a gente não aprendeu: "O Brasil é o único país que pobre é de direita".

A gente fecha os olhos pra isso, não quer acreditar, mas essa é a explicação mais coerente; o povo não quer ver o que a gente quer ver: pra grande audiência, os programas são bons porque reafirmam o que ela acredita. O Jabor faz sucesso quando voicifera seus impropérios porque reafirma o que a população quer dizer.

Por que o povo pensa assim? ou, por que a grande audiência é tão reaça? são outros debates. A mídia reafirmando esses valores evidentemente reforça essa característica, mas isso vem depois. Se o Datena e os colunistas que o povo gosta dão opiniões que refletem o senso comum, não é por não pensarem, mas por pensarem assim. Fazer o quê?

Ok, o conservadorismo da tv passa, mas e o BBB, pânico, Zorra etc? Porra, por quê tantas pessoas assistem isso? Uai, pelo mesmo motivo que a pornografia é dos maiores negócios do mundo (ok, isso foi um trocadilho), pulam carnaval ou leem Harry Potter: as pessoas querem entretenimento.

Nao é culpa da TV. Se só houvesse programas sobre alta-cultura as pessoas seriam mais interessadas nos filmes da Nouvelle Vague ou na Bienal do Livro? Eu sei que essa é uma hipótese absurda , mas me parece mais absurdo achar que as pessoas não iriam buscar entretenimento barato.

a internet oferece de tudo, mais do que se pode imaginar, mas quase tudo gira em torno de fofoca e sexo, que é o que resume o que pensamos a maior parte do tempo. Talvez não os intelectuais, claro, e é por isso que reclamam tanto.

Um comentário:

Gabriel Salgado - Musta disse...

Hahaha
Reflexão muito louca Jota!

Hoje estava assistindo a entrevista com o irmão do goleiro Bruno na Sônia Abrão.

A tarde é sua. Alta cultura mano!