segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Manual do bom militante

Tem pouca coisa que me irrita mais que os desmandos políticos nacionais.
Um forte candidato a superá-los é a mania do povo de protestar de acordo com uma cartilha maldita que reza os seguintes dogmas da militância, quais sejam:
§1. Todo e qualquer manifestante deverá usar preto;
§2. É conveniente misturar todas as reivindicações num mesmo protesto;
§3. Os organizadores do protesto deverão usar de linguagem adequada para o público manifestante.
#3.1 A linguagem deverá ser douta e apenas ligeiramente compreensível para as manifestações que busque o endosso popular;
#3.2 A linguagem deverá ser descolada cheias de gírias de malandrões do gueto, tal qual se vê fidedignamente retratada pelo personagem Boça ou pelos personagens de um dos bastiões da teledramaturgia brasileira, a novela Malhação, sempre que a plateia for composta por adolescentes;
§4. Todo e qualquer manifestante reconhece o portador do megafone como seu pastor e nada lha faltará no que depender deste;
#4.1 O portador do megafone tem a prerrogativa de reunir os manifestantes e revisar, em forma de monólogo extensivo ou jogral com os demais líderes.
§5. Toda reunião que protocolar um documento sobre o manifesto deverá tratar de cada minúcia do tema antes de abordar a questão principal, que geralmente é unânime.
§6. O movimento Caras-Pintadas será sempre a referência mor do movimento e seu hino será tocado ao final de qualquer ato reivindicatório
$7. Os cartazes deverão trazer os dizeres ABAIXO + motivo do manifesto. Em caso de dúvida, completar com ditadura.
§8. As cores a serem estampadas no rosto dos manifestantes deverão seguir o padrão indicado abaixo, em ordem de importância:
a)Manifesto contra corrupção e abuso de poder: Preto + cores da Bandeira
b)Manifesto contra violência: Preto + vermelho
c)Manifesto em favor dos direitos dos homossexuais: Cores do Arco-íris + Pretinho Básico
d)Manifesto em favor da legalização de drogas culturais: Preto (pode ser cinza) + Verde, Amarelo e Vermelho
e)Manifesto pela Paz: Exclusivamente Branco.
§9. É IMPRESCINDÍVEL O USO DE NARIZ DE PALHAÇO PARA QUE A MANIFESTAÇÃO SEJA RECONHECIDA COMO TAL.

Gostaria de deixar claro que defendo todas as causas citadas acima, até mesmo a última, geralmente defendida em casos de violência indisciplinada que atinge a classe média ao invés de limitar-se à população de baixa renda. Contudo, é revoltante ver como até as manifestações populares foram enlatadas e congestionaram a criatividade da manifestação política.

O mais do mesmo é extremamente prejudicial à causa defendida, que perde o apelo popular por falta de inovação, por falta de mostrar que quem está ali gritando está protegendo os interesses de uma população oprimida.
Criatividade é marca registrada de um ativismo que teve muita dificuldade de driblar a censura (mais sobre ela no próximo post). Mas hoje, ainda que as fileiras manifestos sejam formadas sobretudo por universitários das ciências humanas, é como se o vírus simbionte da classe-média alienada e pouco autônoma parece ter infectado a todos, por mais politizados que sejam.

2 comentários:

Renato Diniz disse...

bacanaaa, um protesto contra o mais do mesmo dos protestos. tava pensando numa continuação dessa lista! posta-la-ei

Gabriel Musta disse...

Eu concordo muito com isso Jota!!
Acho que toda manifestação deveria ter uma comissão de criatividade, sei lá!

Há de se considerar que os palhaços, inclusive, vêm aterrorizando muitas inocentes crianças por ai!

Ótima postagem!